quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Câmara critica atendimento para dependentes químicos

 
A propósito de uma discussão sobre moradores de rua e dependentes de álcool e drogas em Sorocaba, vereadores fizeram ontem críticas às políticas públicas da Prefeitura voltadas para esse setor. A discussão começou quando o vereador Rodrigo Manga (PP) subiu à tribuna para informar que a Comissão de Dependência Química da Câmara identificou 542 moradores de rua em 18 pontos (praças e vias públicas) de Sorocaba. Segundo Manga, esse número é 55% maior se for levado em conta o levantamento feito em julho de 2015 pela Secretaria de Desenvolvimento Social, que havia identificado 350 moradores de rua na cidade. Ele lembrou que muitos dos moradores de rua têm problemas com vícios de álcool e drogas.
  Na avaliação de Manga, esse crescimento mostra que as políticas para o setor não funcionam porque a estrutura existente não é capaz de dar o devido atendimento. Ele disse que as duas unidades do Centro de Atenção Psicossocial (Caps) de álcool e drogas, em vez de aguardarem a procura por parte dos carentes, precisariam ir até eles. Uma unidade está localizada na Vila Angélica, na zona norte, e outra, no centro da cidade. Manga afirmou que no ano passado levou a necessidade de mudança de atuação ao prefeito Antonio Carlos Pannunzio (PSDB) e à vice-prefeita e secretária de Desenvolvimento Social, Edith Di Giorgi, mas ouviu como explicação que os Caps seguem legislação federal.
 


Efeito do Facebook sobre o
cérebro é semelhante ao da cocaína. https://t.co/4qhx0p6cZc

17 de Fevereiro - Levar a mensagem, não o adicto
"Podemos analisá-lo, aconselhá-lo, podemos rezar por ele, tentar ser razoáveis, podemos ameaçá-lo, sová-lo, ou aprisioná-lo, mas ele não irá parar enquanto não quiser parar."
Texto Básico, p. 74
Uma das verdades mais difíceis que temos de enfrentar na nossa recuperação talvez seja a de que somos tão impotentes perante a adicção de alguém quanto o somos perante a nossa própria. Podemos pensar que, porque tivemos um despertar espiritual nas nossas vidas, deveríamos ser capazes de persuadir outro adicto a encontrar recuperação. Mas há limites para aquilo que podemos fazer para ajudar outro adicto. Não podemos forçá-los a parar de usar. Não podemos dar-lhes os resultados dos passos ou crescer por eles.
Não podemos tirar-lhes a solidão e a dor. Não há nada que possamos dizer para convencer um adicto assustado a trocar a miséria familiar da adicção pela incerteza assustadora da recuperação. Não podemos entrar na pele de outras pessoas, mudar os seus objectivos, ou decidir o que é melhor para eles. No entanto, se nos recusarmos a tentar exercer esse poder sobre a adicção de alguém, podemos ajudá-lo. Eles podem crescer se os deixarmos enfrentar a realidade, por muito dolorosa que seja. Eles podem tornar-se mais produtivos, de acordo com o seu próprio conceito, desde que não tentemos fazê-lo por eles.
Eles podem tornar-se a autoridade das suas próprias vidas, se nós formos apenas autoridades nas nossas. Se conseguirmos aceitar tudo isto, podemos tornar-nos aquilo que é suposto sermos - portadores da mensagem, não do adicto.
Só por hoje: Vou aceitar que sou impotente, não apenas perante a minha própria adicção, mas também perante a adicção de todos os outros. Vou levar a mensagem, não o adicto.

Quem somos

Minha foto
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro - RJ, Brazil
Trabalhos voltados à Atenção Primária, Secundária e Acessoria em Dependência Química. E-Mail:dubranf@gmail.com

Drogas

Loading...

Pesquisar este blog

Como você vê a dependência química?

Arquivo do blog

Bibiliografia Sugerida

  • Alcoólicos Anôninos (Livro Azul)
  • Isto Resulta - Como e Porque (NA)
  • Viver Sóbrio

Beautiful Pictures of Campfires

Filmografia Sugerida

  • 28 Dias
  • Bicho de sete cabeças
  • Despedida em Las Vegas
  • Quando um Homem ama uma Mulher

PARA QUE ISSO?

PARA QUE ISSO?
A imagem diz tudo

LUTO

LUTO
A CIDADE ONDE NASCI FOI DESTRUIDA, MAS AINDA TÁ LÁ.