segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Tecnologia em excesso pode virar problema de saúde mental


Fábio Munhoz
Enviado a Brasília
Nario Barbosa/DGABC
Que a tecnologia é essencial e traz inúmeros benefícios à sociedade, não se discute. Diante de tantas novidades lançadas no mercado fica cada vez mais difícil não estar conectado à internet durante grande parte do dia. Mas o que fazer quando o uso de equipamentos eletrônicos se torna nocivo, gerando problemas sociais e até consequências à saúde?
Especialista em dependência química, o psiquiatra Gabriel Bronstein, da Santa Casa do Rio de Janeiro e da ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria), iniciou há três anos o atendimento a crianças e adolescentes que abusavam da tecnologia, seja por meio de videogames ou das redes sociais.
Apesar de o uso civil da internet ter começado na primeira metade da década de 1990, o aumento da incidência de compulsão por essa ferramenta se intensificou nos últimos anos, com a popularização da conexão de alta velocidade. O médico afirma que cerca de 80% da população do planeta utiliza a rede mundial de computadores. Dessas, 5% têm chances mais elevadas de desenvolver distúrbios ligados ao uso excessivo.
O alerta de que algo está errado deve ser ligado quando o usuário começa a deixar de lado compromissos para viver a realidade virtual. “Ela se torna um problema quando você acaba tendo prejuízo em alguma área da sua vida acadêmica, profissional, familiar ou pessoal. Você deixa de cumprir seus horários e sempre perde a noção do tempo”, explica Bronstein, que falou sobre o tema no Congresso Brasileiro de Psiquiatria, realizado entre os dias 15 e 18 em Brasília.
Os adolescentes integram o grupo de maior risco. “São mais impulsivos, querem criar seu próprio espaço, desafiar os pais. Tem essa coisa de precisar saber quem ele é, do que ele gosta, do que não gosta. Para isso ele se afasta dos pais e o coloca em risco, como o da dependência química.” As chances de compulsão são ainda mais elevadas em portadores de depressão, ansiedade e TDAH (Transtorno do Deficit de Atenção e Hiperatividade).
Entretanto, com a popularização dos smartphones, tem aumentado o número de adultos que dependem da tecnologia, segundo o especialista. Quem nunca presenciou a cena em que todos os participantes de mesa de bar ou restaurante estão com os olhos fixos nos seus dispositivos móveis sem interagir entre si?
Ainda não são claros os motivos que fazem com que a tecnologia se transforme em dependência. Uma das explicações é o fato de que, na internet, o usuário pode criar um personagem, fingindo ser quem não é e alimentando fantasias. “A outra possibilidade é que esse tipo de artifício atinge o prazer, do mesmo modo que as drogas.”
As principais consequências do abuso estão ligadas à queda de produtividade no dia a dia. “Mas há consequências mais graves. Eu tive um paciente, que na época tinha uns 20 anos, que convulsionava diariamente por causa do jogo. Ele havia largado a faculdade, não saía mais de casa, engordou 20 ou 30 quilos, só comia na frente do computador e de onde só saía para dormir, isso quando dormia.”
Bronstein salienta que as pesquisas referentes a esse tema se intensificaram há pouco tempo, quando surgiram casos de adolescentes, principalmente na Ásia, que morreram após passar dias em frente a um dispositivo eletrônico sem se alimentar.
Manicure de Mauá não consegue largar o celular
A manicure Luísa de Sousa Machado, 19 anos, de Mauá, admite ser viciada em tecnologia. Ela conta que a dependência começou há três anos, quando comprou o primeiro smartphone. Sempre conectada nos aplicativos, é tida como “a excluída” pela família e amigos. “Minha mãe sempre reclama que estou comendo com o celular na mão. É tão viciante que, às vezes, na igreja, pego o aparelho sem pensar e o pastor logo me diz que é para prestar atenção ao culto”, fala.
A necessidade de passar o tempo todo conectada já lhe fez driblar a proibição do uso no trabalho. “Era operadora de telefonia e não podia mexer no telefone em serviço, então, colocava o aparelho debaixo das pernas para acessá-lo e levava muita bronca, confesso.”
Para a jovem, ficar um dia sem o celular é inimaginável. “Meu dia sem internet? Não imagino. Me sinto vazia, sem nada, perdida. Todos falam que já demorei para procurar tratamento, que preciso urgente de um psicólogo”, admite.
Familiares devem agir para evitar abusos
Medidas simples podem ser tomadas pelos pais para evitar que os filhos façam uso excessivo de jogos eletrônicos ou equipamentos que permitem acesso às redes sociais. “Uma dica é não deixar o videogame ou o computador no quarto do adolescente, deixando-o em área comum”, explica o psiquiatra Gabriel Bronstein.
O especialista sugere que não sejam dados smartphones a crianças. “Não existe motivo para uma criança de 7 anos ter um dispositivo desse, mas, infelizmente, isso está cada vez mais frequente.” O médico afirma que a idade ideal para o jovem ganhar um aparelho desse tipo é a partir dos 12 ou 13 anos, “quando começa a ter independência e sair um pouco mais”.
Uma vez que a diversão se torna compulsão, o tratamento é delicado. Isso porque, assim como ocorre com as drogas, a retirada dos equipamentos pode gerar abstinência, provocando sintomas clássicos como tremores e sudorese. Além disso, explica o especialista, não é possível interromper completamente o acesso do paciente à tecnologia. “Hoje em dia é impossível pensar em alguém, vivendo em cidade grande pelo menos, que não vá acessar a internet. Tem escola que passa dever de casa pela internet. Isso é irreversível. Nesse ponto, há semelhança com a compulsão alimentar, pois a pessoa não pode parar de comer. Nesses casos, ela vai ter de aprender a lidar com essa dificuldade, provavelmente não vai poder usar o smartphone. É uma reeducação”, comenta. Em alguns casos, são prescritos medicamentos para controlar sintomas como a ansiedade.
Apesar da situação alarmante, Bronstein avalia que a população brasileira possa estar começando a se adaptar com a ‘overdose’ de tecnologia e buscando meios para evitar o uso excessivo, o que pode indicar tendência de queda para esse problema. Exemplo disso são bares onde não há internet sem fio e os consumidores são orientados a conversar entre si. Ou então, grupos que fazem brincadeiras nas quais quem pegar o celular irá pagar a conta.
“Eu acho que a gente está em uma fase de quem nunca comeu melado, quando come se lambuza. Acho que é bem por aí. A gente não sabe o poder dessa ferramenta porque é muito nova, então acabamos exagerando. Provavelmente, as próximas gerações irão lidar com isso de forma natural.”

Quem somos

Minha foto
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro - RJ, Brazil
Trabalhos voltados à Atenção Primária, Secundária e Acessoria em Dependência Química. E-Mail:dubranf@gmail.com

Drogas

Loading...

Pesquisar este blog

Como você vê a dependência química?

Arquivo do blog

Bibiliografia Sugerida

  • Alcoólicos Anôninos (Livro Azul)
  • Isto Resulta - Como e Porque (NA)
  • Viver Sóbrio

Beautiful Pictures of Campfires

Filmografia Sugerida

  • 28 Dias
  • Bicho de sete cabeças
  • Despedida em Las Vegas
  • Quando um Homem ama uma Mulher

PARA QUE ISSO?

PARA QUE ISSO?
A imagem diz tudo

LUTO

LUTO
A CIDADE ONDE NASCI FOI DESTRUIDA, MAS AINDA TÁ LÁ.